CULTURA E VARIEDADES

Salada Mista: Compartilhando boas ideias

branch-jogo

Conexão e Generosidade

Nesta edição da Flash fui convidada a escrever sobre os movimentos coletivos. Durante a minha pesquisa encontrei inúmeras iniciativas que valorizam a coletividade e o trabalho colaborativo, entre elas, o Dots, uma rede de conexão profissional que promove o contato entre talentos e troca de oportunidades. Sabe aquela frase: gentileza gera gentileza? É assim que funciona esse grupo fechado do Facebook, que já possui 50 mil membros. Um ajuda o outro sem esperar nada em troca.

A ideia surgiu em 2015, motivada pela economia instável e as incertezas no mercado de trabalho. Com tanta gente boa e talentosa em busca de ajuda ou querendo ajudar, porque não reuni-las em um mesmo espaço? O objetivo é compartilhar informações e melhorar a condição de vida das pessoas, gerando renda ou simplesmente dando uma força no que for possível. Para fazer parte da comunidade, a única regra é ter mente e coração abertos e generosidade para doar tempo, contatos e ideias.

dots

A cidade como tabuleiro

O The Branch é um jogo que usa a cidade como tabuleiro para criar conversas profundas entre estranhos. Falar com pessoas desconhecidas é o único meio para pontuar e conhecer as histórias que as moradores locais têm para contar. Os jogadores devem puxar assunto com pessoas que vivem no perímetro delimitado para a partida, descobrir qual a pergunta certa a fazer para cada uma delas e seguir em frente.

O jogo foi criado por um grupo de 18 pessoas, através do projeto Mesa & Cadeira. A proposta foi apresentada pela artista Ju Row Farr, uma das fundadoras do coletivo inglês Blast Theory. O objetivo de transformar a cidade em tabuleiro é estabelecer conexões entre pessoas locais e os jogadores e abrir os canais de percepção para a vida urbana.

A Netflix dos alternativos

Uma plataforma de streaming, como a Netflix, só que com filmes alternativos. Assim funciona a Indieflix, que disponibiliza somente produções independentes. A assinatura é anual e custa 40 dólares por ano ou cinco dólares por mês. Mas a plataforma também conta com filmes gratuitos, só é preciso se cadastrar. O projeto foi idealizado por uma figurinista chamada Scilla Andreen e grande parte do acervo é formada por produções exibidos em festivais.

indieflix

 

Sobre o autor

Greici Audibert

Greici Audibert

Repórter com interesse em literatura, tecnologia, política, bichos fofos e cultura pop.

Deixe seu comentário

Gestor Box