CULTURA E VARIEDADES

Oeste Catarinense celebra a sua 2ª Parada de Luta LGBT

Fotos: Coletivo Tereza
Fotos: Coletivo Tereza

2ª Parada de Luta realizada no sábado reuniu 1,5 mil pessoas que pediam por visibilidade e lutavam contra o preconceito.

A principal avenida de Chapecó ficou pequena na tarde de sábado (17) com tamanha diversidade. Confirmando expectativas, a 2ª Parada de Luta LGBT do Oeste Catarinense reuniu em um mesmo espaço diferentes orientações sexuais e identidades de gênero que buscavam o respeito a lutavam contra todas as formas de preconceito.

Rostos de todas as cores e classes sociais, de diferentes cidades da região, se uniram pelo bem comum. A União Nacional LGBT Chapecó (UNA Chapecó), entidade que promoveu a parada, contabiliza a participação de 1,5 mil pessoas no evento, demonstrando um aumento significativo de público em relação a primeira edição no ano anterior.

2_parada-5

Com a edição deste ano percebemos que a Parada LGBT em Chapecó vem se popularizando cada vez mais. Isso repercute e ajuda na consolidação do município como também referência na luta contra o preconceito e a favor das minorias sexuais – afirma a presidenta da UNA Chapecó, Karla Muniz.

A programação iniciou com a concentração na praça central de Chapecó. Após uma homenagem às 343 pessoas assassinadas no Brasil em 2016, vítimas da LGBTfobia, houve também a leitura dos nomes das 71 travestis e transexuais mortas no país neste ano, exclusivamente, por crimes de ódio.

Os dados serviram de motivação para que a comunidade de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais se unisse ainda mais. Antes da caminhada pela Avenida Getúlio Vargas acontecer, houve também apresentações com artistas drag queens da região que prenderam a atenção não somente dos participantes, mas também daqueles que passavam pelo local.

Durante a caminhada, LGBTs e apoiadores lotaram a Avenida Getúlio Vargas. Com bandeiras com as cores do arco-íris e cartazes de protesto, os participantes oscilaram o momento entre a animação com músicas e danças e gritos de ordem, pedindo por visibilidade e revelando os números da violência contra a comunidade.

– Encerramos a segunda edição da parada com um saldo totalmente positivo, acreditando que, anualmente, com as diversas ações em prol da comunidade LGBT, vamos sensibilizar o restante da população e avançar em busca da igualdade – conclui Karla.

Texto: Luiz Barp – Diretor de Comunicação UNA LGBT Chapecó.
Fotos: Coletivo Tereza
2_parada-2
2_parada-8
2_parada-7
2_parada-4
2_parada-6
2_parada

Sobre o autor

Flash Vip

Flash Vip

Revista catarinense com foco em cultura, comportamento, variedades e o que mais for pautado pelo cotidiano.

Deixe seu comentário

Gestor Box